21 de agosto de 2008

Edson Bakairi



Sou um sobrevivente! E sei a importância de um posicionamento firme quanto a questão do infanticídio. É importante que os indígenas defendam suas crianças. Há lideranças manipuladas pelos antropólogos que acham que os costumes são intocados. Temos que exercer a capacidade de mudar e combater o que é prejudicial. É difícil ouvir a minha história.

9 comentários:

Adote um disse...

Tenho lido muita besteira a esse respeito na internet. Pessoas que não se sensibilizam ou que divagam sem conhecer a realidade.
Só quem é índio e sofreu com isso pode falar.
Somente essa palavra deve ser ouvida e respeitada.

Bosco Esmeraldo disse...

Mas não sou índio e sei o quanto é importante esta luta pela sobrevivência e pela vida.
Sei que vamos conseguir mudar tudo isso enquanto não calarmos nossas vozes.
Os antropólogos pecisam rever suas posições. Precisamos ouvir a voz dos índios. São eles e não nós que decidem o que é melhor para eles.
E eles querem viver.
Chega de infanticídio!
A vida tem prioridade.

informadordeopiniao disse...

É preciso diferenciar o relativismo cultural enquanto ferramenta de estudo etnográfico e o relativismo cultural enquanto filosofia. O governo não pode e não têm legitimidade para dar guarida a esta última com seu aparato público. Isto não é característica de uma República laica, mas de um Estado Confessional. Não somente discursos teocráticos ferem a laicidade, mas filosofias que se apropriam com truques semânticos e blindagem midiática da burocracia oficial.

Cesar disse...

Gostaria de entrar em contato com Edson Bakairi. Meu nome é Cesar Gordon, sou antropólogo, trabalho com populações indígenas ha alguns anos e gostaria de convidar Edson Baikairi para participar de uma Mesa Redonda (ainda não confirmada) na Reunião da ANPOCS, falando sobre a questão do infanticídio entre os povos indígenas. Muito obrigado.
Meu email: cesar@cesargordon.net

Alane disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Alane disse...

Olá. assisti a um documentário sobre a menina Hakani e chorei muito. Nunca imaginei que poderia acontecer isso, nunca passou pela minha cabeça tamanha crueldade. Eu sei que pra os índios isso é normal. Mas não posso saber disso e ficar parada. Devemos agir e agir depressa! Como filha de Deus, eu sei que devo pregar pra essas pessoas. Incentivá-los a aceitar a Cristo, que eles conheçam a verdade no nome de Jesus! e vou orar por eles e pelas crianças. Como tenho só 18 anos e ainda não trabalho, pensei em falar com meu pai para apadrinhar uma criança. Achei muito bonito o trabalho da Ana Paula Valadão. Admiro-a como cantora, serva de Deus e como pessoa. Então, eu sei que não vi o vídeo por acaso. Deus me mostrou pra que eu ajudasse de alguma forma. Então, no que for preciso, se eu puder, ajudarei. Vou ajudar em orações, se possível pregar a Palavra de Deus, indo a essas tribos, vou apadrinhar uma criança etc. O tempo está próximo! Jesus está voltando, e os Servos dEle precisam mostrar o caráter dEle, na Terra. Chega do diabo enganar essas e outras pessoas, chega de ele fazer festa com os filhos de Deus! Jesus morreu pra dar vida a todos nós, pra Ele somos iguais. Não adianta aquele deputado dizer que Direitos Humanos não existe pra índios, existe sim! eu achei ele um RIDÍCULO! não tem capacidade alguma de administrar as leis e de administrar nada. Me revoltei mesmo! não tenho medo dele ou de qualquer outro que aprova esse tipo de cultura! eu tenho TODO o direito de expressar o que penso. E chega do diabo fazer festa, chega mesmo! Pra Deus, essas pessoas, por não conhecerem a verdade, são puras e não sofreram os danos de seus atos. Mas quero pregar, quero comprar briga com satanás. E no nome de Jesus a vitória já é nossa! amém! Que Deus os abençõe, que vocês possam administrar tudo no nome dEle, vocês verão a vitória e como Deus irá ajudá-los se vocês o colocarem em primeiro lugar e se for preciso, Ele moverá céus e terra para ajudá-los. fiquem na paz do Senhor. E que bênçãos e mais bênçãos cheguem a vocês.

grande abraço.

Nilza Massari disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nilza Massari disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nilza Massari disse...

Se a Constituição Federal considera o índio como pródigos, então vamos reformar esse artigo e torná-los cidadãos legalmente capazes. O índio à décadas está interagindo com o branco, na maior parte das tribos há Tv, internet, etc. Chega de omissão acerca dessa bárbarie de infanticídio de nossos irmãozinhos indígenas. Deus não criou cultura, criou o ser humano e não fez distinção entre raça, cor, etc. ELE cobrará caro das autoridades que não se sensibilizaram com os gritos de pedido de socorro dos verdadeiros brasileiros.